destaque avanco pesquisas map Diante da pandemia causada pelo novo coronavírus, pesquisadores do Departamento de Matemática Aplicada do IME-USP (MAP) sentiram-se desafiados a direcionar suas
linhas de pesquisa para novas investigações para o enfrentamento da doença.

O grupo de biomatemática do Departamento de Matemática Aplicada do IME-USP (MAP) vem trabalhando na modelagem de epidemias há alguns anos, com seminários regulares e colaborações com outros departamentos e institutos. O foco estava concentrado em dengue, mas com a chegada da pandemia, as pesquisas se voltaram para a Covid-19. As pesquisas de antes da pandemia já contavam com uma excelente parceria com a empresa InLoco, no contexto de exploração de dados de mobilidade para modelagem epidêmica, além de interações com diversos epidemiologistas de renome. A pandemia acelerou uma interação maior de colaborações já existentes, e assim as pesquisas evoluíram mais rapidamente.

Atualmente, alguns dos professores do MAP integram diferentes grupos de apoio científico de entidades governamentais, auxiliando na tomada de decisão e planejamento estratégico de ações. O grupo atua dentro do centro de crise do Governo do Estado de São Paulo, auxiliando com análises de dados epidemiológicos e modelos preditivos que ajudam no planejamento de médio prazo das ações do governo. O grupo também atua em um subcomitê do Comitê de Pesquisa do Consórcio Nordeste, auxiliando em análises de mobilidade e risco de disseminação da Covid-19. Na linha de monitoramento da pandemia, análises da evolução da pandemia no Brasil são divulgadas em tempo real na Folha de São Paulo, permitindo um acompanhamento dos municípios em suas fases da curva epidêmica. Análises de isolamento social são divulgados no site do grupo do MAP para mais de 4 mil municípios do país, sendo o único local onde esse tipo de dado é abertamente disponível a prefeituras e público em geral. Assim, as contribuições aparecem tanto na parte de monitoramento (evolução da pandemia e medidas de distanciamento social) quanto no auxílio de plano de ações (com modelagem epidemiológica). Essas contribuições visam reduzir o impacto da pandemia na sociedade em geral.
Além do comitê de contingenciamento do governo do estado de São Paulo, do comitê de pesquisa do consórcio Nordeste, e da Folha de São Paulo, já citados anteriormente, diversas prefeituras (incluindo consórcios) solicitam auxílio do MAP em análises de medidas de controle da pandemia ou monitoramento. O grupo também tem colaborado com outros pesquisadores para análises regionais.

 

AVANÇO DAS PESQUISAS
Atualmente o grupo de pesquisa trabalha em um modelo preditivo que acopla espacialmente os municípios de São Paulo com dados de mobilidade. Esse modelo tem sido usado no centro de crise do governo do estado, e tem se mostrado muito útil no entendimento da evolução epidêmica no estado. Além disso, o entendimento da relação entre o distanciamento social e seu efeito na velocidade de propagação da doença, ainda carece de estudos. Apesar de ser bem entendido do ponto de vista teórico, na prática os dados não refletem tão diretamente o que se conhecia sobre o assunto e o que tem-se usado em modelos de cenários. Temos trabalhado em melhorar esse entendimento, para poder esclarecer o que seria um distanciamento social ideal e seu real impacto na epidemia. Outros estudos também estão em andamento, por exemplo considerando as vulnerabilidades sociais e suas relações com a Covid-19.

 

INTERDISCIPLINARIDADE DAS PESQUISAS
A pandemia trouxe junto com a crise uma necessidade e abertura para intensas colaborações interdisciplinares. Esse tem sido o grande trunfo para lidar com a crise, pois pesquisadores do Brasil e do mundo estão hoje mais do que nunca mais abertos a colaborar. Atualmente, o grupo do MAP interage semanalmente com dezenas de pesquisadores do país e de fora, compartilhando dados e ideias.
Um resultado curioso foi uma colaboração com o Grupo de sismologia do IAG-USP, na qual foi analisada a relação de ruídos sísmicos com a mobilidade urbana (distanciamento social), publicado em uma importante revista da área de geofísica.


REPERCUSSÃO NA MÍDIA

Além da divulgação em tempo real na Folha de São Paulo, o trabalho dos pesquisadores do MAP tem tido repercussão na mídia, como a participação ao vivo do Prof. Dr. Renato Vicente no jornal Bom dia PE, da TV Globo Nordeste, com o tema Recife está no caminho para resolver crise da Covid-19, aponta pesquisador da USP e na matéria do Diário de Pernambuco, intitulada "Recife está na direção de resolver epidemia", diz professor da USP, ambas veiculadas no dia 17/07/2020.

 

Prof. Renato Vicente em participação ao vivo na Globo Nordeste

Participação ao vivo do Prof. Dr. Renato Vicente do MAP, em telejornal da TV Globo Nordeste.
Assista: http://g1.globo.com/pernambuco/videos/t/todos-os-videos/v/recife-esta-no-caminho-para-resolver-crise-da-covid-19-aponta-pesquisador-da-usp/8705649/

 

SAIBA MAIS

Mais informações e publicações sobre as pesquisas do Departamento de Matemática Aplicada do IME-USP podem ser encontradas em www.ime.usp.br/~pedrosp/covid19.

 

 



06.08.2020 | Serviço de Apoio Institucional
Texto: Prof. Dr. Pedro Peixoto
Colaboração: Luana Giacomini Barbosa
Supervisão: Marcelo Modesto Costa

Estão abertas as inscrições para o minicurso de Pós-Graduação Interpretações em teoria de conjuntos  (MAT5712)

O minicurso ocorrerá entre os dias 17 e 28 de agosto de 2020 e será ministrado pelo pesquisador e pós-doutorando Alfredo Roque de Oliveira Freire Filho (IME-USP).

 

Ementa

A ementa do minicurso está disponível no Sistema Janus

 

Créditos: 1

  

Data / Horário 

17/08 – segunda-feira – 16h00 às 18h00 03/03

19/08 - quarta-feira – 16h00 às 18h00

21/08 - sexta-feira – 16h00 às 18h00 

24/08 – segunda-feira – 16h00 às 18h00 03/03

26/08 - quarta-feira – 16h00 às 18h00

28/08 - sexta-feira – 16h00 às 18h00 

 

Local

Online - https://join.skype.com/DuQKBbGAHvPS

  

Inscrições

As inscrições devem ser realizadas até o dia 17/08, exclusivamente pelo formulário no link https://forms.gle/SxGqo9FNR6ZkV74c9.

 

Mais informações

Outras informações podem ser obtidas na Secretária do Programa de Pós-Graduação em Matemática do IME-USP (CCP-MAT), através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo telefone (11) 3091-6122.

 

 

05.08.2020 | Henrique Guetti
Serviço de Pós-Graduação

 

No dia 10 de agosto, próxima segunda-feira às 14h, será inaugurado o Seminário Brasileiro de Otimização Contínua com a palestra online do Prof. José Mario Martínez (Unicamp) intitulada "Pool Testing". Esta iniciativa, de professores da Unicamp, USP, UFSC, UFPR, UFG e UFAM, irá substituir neste semestre os seminários regulares de otimização nestas universidade.

A escolha do horário é devido ao mais antigo destes seminários, na Unicamp, desde 1982. O cronograma do semestre, o link para as palestras ao vivo e os videos das palestras anteriores podem ser acessados pelo endereço: www.ime.usp.br/~ghaeser/seminarios.html

 

Prof. Dr. Gabriel Haeser | 05.08.2020
Departamento de Matemática Aplicada

Prezados(as), 
 
É com satisfação que informamos que o Brasil bateu recorde de medalhas na International Mathematics Competition for University Students 2020 (IMC), realizada online. 
 
 A equipe do IME-USP contou com os alunos:

Líder: Rafael Kazuhiro Miyazaki -  Mestrado em Matemática (IME-USP)
Vice-líder: Diego Eloi Misquita Gomes (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará)
 
André Yuji Hisatsuga ( Bacharelado em Matemática - Medalha de Prata) 
Eduardo Ventilari Sodre (Bacharelado em Matemática - Medalha de Prata)
João Pedro Sedeu Godoi (Bacharelado em Matemática - Medalha de Bronze)
Lucas Hiroshi Hanke Harada (Bacharelado em Ciência da Computação - Medalha de Bronze)
 
Maiores informações: 
 
 
O  Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo parabeniza nossa equipe pelo excelente desempenho.

 
Atenciosamente,
 
Junior Barrera
Diretor
 

banner principal2020 2 1000 300

No dia 11/08, terça-feira, a partir das 13h30, ocorrerá a Recepção de Pós-Graduação, um evento de boas-vindas à ingressantes de pós-graduação do IME-USP. 

 

Por causa da pandemia a recepção dessa vez será na sala virtual no Meet (aplicativo para reuniões on-line que podem ser acompanhadas tanto pelo computador quanto por dispositivos móveis): http://meet.google.com/wvz-kwsa-kwx. Destacamos que as aulas presenciais serão restabelecidas, muito provavelmente, apenas em 2021.

 

Se você está ingressando em algum programa da pós, independentemente de ter se graduado no IME ou não, essa será uma boa oportunidade de ficar por dentro das regras e deveres que você precisará cumprir nessa nova etapa e integrar-se ao curso e à sua nova comunidade. Você poderá conhecer seus colegas de curso e de Instituto, ingressantes e veteranos(as), o corpo docente e funcionários com que mais irá interagir, e os serviços e atividades que poderá desfrutar. São informações que vão ajudar muito a sua vida, neste e nos próximos semestres. Sabemos que esse semestre será um semestre único e complicado, tentaremos ao máximo recebê-los e explicar como o IME funciona nessa situação confusa e particular.

 

Durante a recepção, são apresentadas as principais regras gerais da pós e do seu programa, além de informações importantes sobre o IME e a USP. Haverá também apresentações dos coletivos, grupos de extensão, dos pontos de contato administrativo e da biblioteca, além de uma roda de conversa para esclarecer dúvidas. O material com essas informações será distribuído no evento, para que você possa rever quando quiser ou precisar.

 

Achamos importante, sobretudo neste momento, acolher e integrar quem ingressa na pós, pois conhecendo melhor nossos futuros colegas, pode ser que não nos sintamos tão sós. Juntos poderemos formar uma grande rede de apoio e nos ajudarmos. Desde muito tempo, semestralmente fazemos essa recepção, neste semestre ela será reduzida para evitarmos que alguém fique exausto(a). Caso no próximo semestre seja possível fazermos uma recepção no formato presencial, você já é nosso convidado(a)!

 

Este é um evento elaborado semestralmente com muito esmero pela Comissão de Recepção da Pós-Graduação (RPG), que é composta por estudantes da pós de diversos programas do IME e conta com o apoio das Comissões de Pós-Graduação (CPG) e da direção do Instituto. Sem dúvida, ficaremos felizes com sua presença.

 

Se quiser saber mais, acesse nosso site: https://www.ime.usp.br/~rpg/

Ou nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/groups/117482945522023/

Ou o evento do Facebook: https://www.facebook.com/events/379772726335093/

Ou ainda nosso instagram: https://www.instagram.com/comissaorpg/

Qualquer dúvida, entre em contato pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Desejamos uma saúde, tanto física quanto mental e emocional, para você e toda sua família e que vocês consigam achar uma forma de lidar com todas as dificuldades que estamos passando.

Mais uma vez parabéns por entrar na Pós-graduação e bem vindos/bem vindas a nossa comunidade!

 

Cordialmente, Comissão RPG

Com a pandemia, 95% dos participantes relataram ficar mais tempo em casa, mas a maioria reduziu a prática de exercícios físicos

 
20200717 covid diabetes

Pesquisadores esperam que os resultados do estudo cheguem aos tomadores de decisão – Montagem sobre foto: Marcos Santos/Jornal da USP

 

Uma pesquisa inédita, realizada com 1.700 brasileiros, mostrou quais são os impactos da covid-19 em pessoas com diabetes. Os resultados foram publicados na revista Diabetes Research and Clinical Practice no dia 3 de julho.

Conduzido por um grupo de instituições nacionais e internacionais, incluindo a USP, o estudo revelou que os portadores da doença alteraram seus hábitos durante a quarentena, o que causou uma piora nos níveis glicêmicos. Se infectadas, essas pessoas podem desenvolver formas mais graves de covid-19.

Outro dado preocupante é que parte dos pacientes relatou dificuldades em receber os insumos necessários para controlar o metabolismo. Do total de 64% dos pacientes que obtêm os produtos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), apenas 21% deles receberam os medicamentos para 90 dias, conforme recomendação do Ministério da Saúde.

O questionário, composto por 20 questões de múltipla escolha, foi enviado por meio das redes sociais de associações e grupos de diabetes. De todos os participantes, 75% eram mulheres, 78% tinham entre 18 e 50 anos e 65% moravam na região Sudeste. A maioria (60%) era portadora de diabetes tipo 1 e 31% do tipo 2. Além disso, 39% tinham acesso ao serviço privado de saúde e 33% deles utilizavam tanto o sistema público quanto o privado.

Os dados foram coletados entre 22 de abril e 4 de maio de 2020.

 

Ferramenta matemática

Com todas as respostas em mãos, coube a Viviana Giampaoli, professora do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP, construir um mapa de relações para estabelecer as associações entre idade, ocorrência dos sintomas da covid-19, tipos de diabetes e a evolução de algumas comorbidades, por exemplo. “Vimos que as pessoas com diabetes do tipo 2 controlam menos a glicemia e apresentaram maior frequência de outras doenças e complicadores, como problemas de saúde mental”, explica Viviana. “Vários pacientes com diabetes tipo 1 apresentaram sintomas de covid-19 e não foram testados, mesmo convivendo com familiares infectados.”

Nos cuidados de rotina, é importante manter uma alimentação saudável e a prática de exercícios, já que essas atividades ajudam a manter a glicemia em níveis seguros. A maioria dos respondentes (95%) passou a ficar mais tempo em casa e diminuiu a atividade física. “Quase 60% das pessoas reportaram redução nos exercícios”, relata Mark Thomaz Ugliara Barone, vice-presidente da Federação Internacional de Diabetes e primeiro autor do estudo. Dos 1.701 entrevistados, 38,4% adiaram suas consultas médicas e a realização de exames. Quase 49% deles aumentaram o tempo em frente à TV e 53% acessaram mais a internet.

Dos 91% que monitoram a glicemia, a maioria (59%) percebeu alterações como aumento (20%), diminuição (8,2%) ou maior variabilidade (31%) nos níveis de glicose. . “Obviamente que esses fatores vão ter um impacto importante sobre os autocuidados, por isso a população precisa ter um acesso otimizado ao serviço de saúde”, relata Barone. “No questionário, havia um campo de observação onde os pacientes escreveram relatos desesperados sobre a dificuldade de entrar em contato com os médicos pessoais”, enfatiza.

Desde o início da pandemia, os serviços de saúde de rotina foram reorganizados ou descontinuados. Outros profissionais foram redirecionados para trabalhar na linha do combate à covid-19. “Com isso, a população precisa ser informada de como proceder e que alternativas possuem caso apresentem sintomas causados pelo novo coronavírus”, afirma Barone.

 

Mais estudos

Uma pesquisa virtual, realizada pela Organização Pan-americana de Saúde (Opas) – organismo internacional que atua como escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as Américas -, confirmou que a interrupção dos serviços de rotina é uma ameaça à saúde das pessoas portadoras das chamadas doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs), como diabetes, câncer e doenças cardiovasculares. O estudo foi feito no mês de maio com 158 países.

A situação é preocupante porque pessoas com DCNTs têm mais riscos de ficarem doentes se forem infectadas pelo novo coronavírus. Antes da pandemia, 81% de todas as mortes nas Américas ocorriam em razão dessas doenças. Estima-se que 62 milhões de pessoas vivam com diabetes na América Latina e no Caribe. Já o Brasil tem 17 milhões com a doença.

Os coordenadores do trabalho esperam que os resultados cheguem, principalmente, aos tomadores de decisão, e que eles entendam que algo precisa ser feito. “Temos que garantir que essas pessoas recebam os medicamentos para 90 dias de tratamento”, diz Viviana.

Barone se diz preocupado porque os diabéticos não estão recebendo o acompanhamento necessário. “O cenário mudou. Se antes eles se mantinham saudáveis, agora eles precisam se adaptar e receber orientações”, explica. “Não basta só ficar em casa!”

 

 

 

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.

MathSciNet é uma base de dados referencial em literatura de pesquisa em ciências matemáticas da American Mathematical Society.

A lista com referências de todos os periódicos indexados na base de dados foram adicionadas ao conteúdo do MathSciNet no ano de 1997, e com mais completude a partir de 2000. A análise de citações é apresentada por meio de pesquisa simples por autores, títulos de periódicos, assuntos e ano.

O quociente de citação matemática (MCQ) do MathSciNet é publicado anualmente e compara o número de citações correspondentes ao número de artigos de um periódico, em que as referências estão dentro do período de cinco anos anterior ao ano de referência do MCQ.

Desta forma, o MCQ avalia o impacto que um período possui dentro da base de dados.

O MCQ do São Paulo Journal of Mathematical Sciences (SPJM) em 2019 foi de 0.33:

 

Imagem: Mathscinet

 

O editor-chefe do periódico, Prof. Claudio Gorodski, destaca que o MCQ geral das publicações indexadas pelo MathSciNet passou de 0.41 em 2018 para 0.43 em 2019, enquanto que o MCQ do SPJM (IME-USP/Springer) passou de 0.18 para 0.33, o que é um aumento significativo.  

Este é o maior número de citações que o SPJM recebe na base MathSciNet desde 2008, quando começou a ser indexado na base, o que demonstra que a publicação está cada vez mais conhecida e utilizada pela comunidade acadêmica da área.

A comunidade da USP possui acesso ao MathSciNet por meio do Portal de Periódicos CAPES, o acesso poderá ser realizado fora do campus via VPN USP.

Os fascículos do SPJM podem ser conferidos no Portal SpringerLInk, também com acesso via VPNUSP: https://www.springer.com/journal/40863

 

 

Stela do Nascimento Madruga | 17.07.2020 
Biblioteca Carlos Benjamim de Lyra